Pesquise por hashtags, nomes, e assuntos Pesquisar

Surya Dental

Amigo com mau hálito? Saiba como avisar sem constrangimento

Halitose atinge 40% da população mundial, mas nem todo mundo sabe que tem o problema; avisar o colega pode causar constrangimento

Avisar alguém que está com mau hálito é uma das situações mais delicadas que qualquer um pode passar: tanto a pessoa que tem, quanto a pessoa que avisa. Mas é muito importante que alguém toque no assunto. Apesar de ser incômodo e constrangedor, dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que quase 40% da população mundial é afetada pelo problema, e a maioria dos portadores não sabem sofrem de halitose.

Se a pessoa for próxima, a situação é até mais fácil de driblar, afinal, é possível, sempre com jeito, abordar o tema, principalmente se tratar de sua cara-metade. Saiba que pesquisa feita pelo site de namoro ouldliketomeet.me, do Reino Unido, com mais de mil pessoas, constatou que 79% acreditam o mau hálito é a principal causa de término dos relacionamentos.

No trabalho

Se você já teve de dar um passo atrás na hora de conversar com um colega para evitar que o ‘bafo de onça’ dele alcançasse as suas narinas, a situação é mais sutil. Caso almoce com a pessoa, trabalhe na mesma equipe, divida decisões, é possível tocar no assunto de forma discreta, sem brincadeiras, para que o outro não se sinta humilhado. Caso não seja íntimo o suficiente, mas quer ajudar quem é alvo de comentários maliciosos, quem deve tomar a iniciativa é o RH. Muitas empresas têm serviço de comunicação interna para tratar tais assuntos. Há quem seja adepto também de bilhetes anônimos, cuja mensagem deve ser sutil e simpática.

Por e-mail

Para facilitar a vida das pessoas, algumas associações e clínicas desenvolveram mecanismos anônimos de alerta via internet. A Associação Brasileira de Halitose (ABHA), por exemplo, criou o SOS Mau Hálito, e a Clínica Halitus oferece o serviço Bom Amigo X Mau Hálito, por meio do qual é possível avisar um colega mantendo a identidade sob sigilo. Em ambos os casos, basta fornecer o nome e o e-mail de alguém que sofre do problema que a entidade se encarrega de enviar um comunicado, gratuito e gentilíssimo, orientando sobre possíveis causas, formas de tratamento e explicando sobre a fadiga olfatória, que faz com que a pessoa não perceba o odor que exala de sua própria boca.

O resultado é surpreendente: pesquisa realizada pela ABHA mostra que em 99% dos casos o portador de mau hálito, embora inicialmente tenha se sentido constrangido, ficou agradecido à pessoa que tomou a iniciativa, por sentir que esta lhe queria bem.

Prevenção e tratamento

Se você não quer dar este tipo de trabalho aos seus amigos, familiares e colegas de trabalho – muito menos à cara-metade -, vale conferir a seguir algumas dicas de prevenção e tratamento dadas por José Henrique de Oliveira, cirurgião dentista e diretor do INPAO Dental (Instituto de Previdência e Assistência Odontológica), e por Maurício Duarte da Conceição, da Clínica Halitus .

O que é a halitose?

É uma alteração desagradável do hálito, geralmente causada por uma mudança nas condições fisiológicas.

O que causa?

Em 90% dos casos, a halitose está relacionada à existência de cáries e à má higiene bucal, principalmente quando há acúmulo de restos alimentares nos espaços de próteses fixas e móveis (dentaduras), entre os dentes e também no dorso da língua, local que muita gente deixa de escovar. Porém, o problema também pode ter sua origem associada a doenças respiratórias, como sinusite e amidalite; com complicações digestivas (casos de erupção gástrica, dispepsia, neoplasias e úlcera); ou até mesmo devido ao mau funcionamento do metabolismo, o que envolveria enfermidades febris, alterações hormonais e até mesmo estresse. Um bom exemplo de alteração nas condições fisiológicas acontece à noite, quando naturalmente ocorre uma diminuição do fluxo salivar. Com isso, a proliferação de bactérias na boca que fermentam restos alimentares aumenta, causando mau hálito ao acordar.

Como prevenir o mau hálito?

A melhor forma de prevenção é escovar corretamente os dentes após as refeições, principalmente à noite, antes de dormir. A utilização de fio dental e a limpeza da língua são fundamentais para evitar qualquer acúmulo de restos de comida. Já o uso de enxaguante bucal é apenas um paliativo, porque não atua diretamente na causa do problema.

Há alimentos que colaboram no combate ao mau hálito?

A ingestão de água com frequência e o consumo de alimentos com fibras contribuem para a limpeza da boca, assim como a redução de comidas gordurosas, cigarros, café e frituras.

Um dentista pode ajudar a resolver o problema?

É muito importante visitar regularmente um cirurgião dentista. Primeiro porque ele é capaz de realizar uma limpeza mais profunda, principalmente da placa bacteriana e do tártaro, fatores que contribuem para a halitose. Em segundo lugar, porque o profissional pode detectar e tratar outras situações que podem provocar o mau hálito, como uma gengivite ou próteses e restaurações com algum problema de fixação, por exemplo. Mas vale lembrar que se essas ações não derem resultado, é recomendável que a pessoa consulte um médico para ter certeza de que o seu mau hálito não está relacionado a um problema mais grave.

Outras dicas de prevenção…

1) Além de escovar os dentes após as refeições e usar fio dental, faça a limpeza da língua delicadamente com uma técnica adequada, que deve ser selecionada de acordo com o seu grau de formação de saburra lingual.

2) Para portadores de doenças da gengiva (doença periodontal e gengivite) ou para quem usa aparelho ortodôntico ou próteses removíveis ou totais, recomenda-se a utilização de escovas especiais e técnica de escovação especializada ensinada pelo cirurgião dentista ou por uma TSB (técnica em saúde bucal).

3) Faça refeições regulares, a cada quatro horas, dando preferência a alimentos fibrosos, para estimular uma maior produção de saliva.

4) Tome no mínimo 2 litros de líquido diariamente, pois isso aumenta a produção de saliva e hidrata o organismo e a boca, prevenindo a formação de placa bacteriana.

5) Não utilize enxaguantes bucais com álcool, que ressecam a boca e induzem a formação de placa bacteriana.

6) Controle seu nível de estresse com alimentação saudável, exercícios físicos regulares e uma rotina de lazer e/ou relaxamento.

7) Se ocorrer sangramento em sua gengiva ao escovar os dentes ou utilizando o fio dental, procure um cirurgião dentista. Se o problema for somente a gengivite, basta aprender a técnica correta de escovação. Entretanto, se houver doença periodontal, é fundamental procurar a ajuda de um especialista em doenças da gengiva (periodontista).

8) Evite o consumo excessivo de alimentos que possam alterar o odor do hálito. Os principais são os que apresentam alto teor de proteína e gordura animal (salame, mortadela etc.) ou enxofre (repolho, couve-flor e outros, além de alho e cebola crus ou em excesso). Também evite o consumo excessivo de café e de bebidas alcoólicas, especialmente se estiver estressado ou ansioso, pois essas questões emocionais interferem no funcionamento estomacal e, consequentemente, no hálito.

Fonte: www.saude.terra.com.br

Fala pra gente o que achou

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Feito por Nerau Studio