Pesquise por hashtags, nomes, e assuntos Pesquisar

Surya Dental

Como trabalhar a história da fada do dente no consultório

Durante o período de troca de dentição, é comum que as crianças acreditem na fada dos dentes e na lenda de que, colocando-os debaixo do travesseiro, seriam trocados por moedas ou presentes.

Mas será que essa história é saudável para as crianças? Como os cirurgiões-dentistas devem trabalhá-la no consultório? Continue a leitura e descubra!

Como surgiu a fada do dente

Incentivar as crianças a fazerem algum ritual com dentes de leite que caíram está presente em diversas culturas. Cada país tem sua própria tradição, seja enterrá-los, jogar no telhado, engolir ou esconder debaixo do travesseiro.

No entanto, a história que provavelmente originou a fada do dente chama-se “La Bonne Petite Souris” e data do século 18, na França. Nesse conto, uma rainha é aprisionada por um rei e, no intuito de se libertar, pede ajuda a um ratinho em sua cela.

O roedor era, na verdade, uma fada disfarçada, que se encarrega de ajudar a moça. Como vingança, a fada-rato se esconde no travesseiro do rei, atormentando-o pelo resto da vida.

A fada do dente, porém, só apareceu no meio do século 20, e a mídia teve um grande papel na sua popularização, assim como em mitos como Papai Noel e coelhinho da Páscoa.

Curiosamente, na Espanha e em outros países que falam espanhol, ao invés de uma fada, a criança coloca os dentes debaixo do travesseiro para que o Ratoncito Perez, um ratinho, possa trocá-los por moedas, doces ou outros presentes.

Como trabalhar a fada do dente no consultório

Para os pais e odontopediatras, a história da fada do dente pode ser muito útil durante a troca de dentição. Isso porque a criança ficará empolgada e lidará com esse fato com mais facilidade.

O lúdico é um importante artifício durante as primeiras fases da infância como meio dos pequenos assimilarem o mundo. Portanto, utilizar um personagem pode facilitar o entendimento do crescimento.

fada do dente

O conto da fada do dente pode auxiliar no entendimento do processo da troca de dentição. Foto: Freepik

Como profissional da Odontologia, lembre-se de conversar com os pais e reafirmar essa importância. É essencial que eles não se esqueçam de substituir o dentinho por algum presente ou moedinha.

Uma ideia no consultório é trabalhar a fada do dente como um incentivo à escovação e à higiene bucal. Você pode usar o pretexto que ela só troca o dente quando ele está bem cuidado.

Não subestime seu paciente! Mesmo sendo criança tem autonomia. É indispensável ter uma conversa e saber o que ele pensa a respeito da fase que está vivendo.

A partir daí personalize o atendimento e o tratamento. Se você achar que a criança tem mais dificuldades para lidar com a troca de dentição, reforce a ideia da fada. Se ela já não acredita tanto, auxilie na mudança de mentalidade.

Como contar a verdade

O processo de troca de dentição geralmente dura dos 5 aos 11 anos. Naturalmente, com o passar do tempo, a criança sentirá necessidade de saber a verdade sobre a fada do dente. Nesse caso, os pais terão que contar a verdade.

Como dentista, instrua os pais a não fugirem de conversas sobre o assunto. Quando perguntarem algo, os adultos devem incentivar as crianças a pensar a respeito, devolvendo perguntas e fazendo-as buscar suas conclusões. Cedo ou tarde, elas perceberão a verdade.

Nesse momento, pode ser necessário trocar a abordagem como dentista. Portanto, sempre converse com o paciente e perceba qual a melhor forma de tratá-lo.

fada do dente

Converse com seus pacientes e instrua os pais a contar a verdade quando surgirem dúvidas sobre o tema.

A história da fada do dente é muito comum entre as crianças na fase de troca da dentição. Para profissionais da Odontologia, ela pode ser muito útil para lidar com os pacientes durante esse processo.

Se você gostou do conteúdo, assine nossa newsletter! Você receberá novas dicas semanalmente.

Fala pra gente o que achou

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Feito por Nerau Studio