Pesquise por hashtags, nomes, e assuntos Pesquisar

Surya Dental

Por que suas resinas e porcelanas quebram?

Você já teve a frustração de realizar um belo trabalho estético e o paciente voltar com a cerâmica ou a resina quebrada ou lascada? Além de ser frustrante é extremamente contraprodutivo.

Em uma situação como essa, não se sabe ao certo se o paciente mordeu algo com os dentes da frente ou fez um movimento brusco de cisalhamento, formando uma espécie de alavanca resultando em fratura.

Esse movimento de puxar e torcer algo com os dentes é extremamente perigoso, pois os materiais não são resistentes ao cisalhamento e torção.

Qualquer material restaurador dentário em estudos laboratoriais é muito resistente à compressão, mas é frágil ao cisalhamento.

Novos estudos e conceitos de Bioemulação e Biomimética na prática, aliados ao conceito de adesão, têm minimizado isso. Por outro lado, os materiais continuam variando no simples binômio: resina ou cerâmica.

Pensando dessa forma, a oclusão dentária continua e sempre continuará sendo a proteção e a “alma” dos trabalhos restauradores.

Falta de cuidado dos pacientes

Quantos pacientes não chegaram ao seu consultório com resinas e porcelanas quebradas e você acaba descobrindo que aquilo aconteceu por que ele mordeu uma caneta ou roeu unha, ou ainda puxou o sachê de um ketchup com os dentes? Sem dizer sobre outras loucuras, como abrir garrafas de cerveja com os dentes!

resinas e porcelanas quebram

Resinas e porcelanas quebram também por negligência dos pacientes. Oriente seus clientes!

Agora, muitas vezes uma fratura acontece e não é culpa do paciente. Cansei de receber no consultório pacientes com estética realizada nos dentes anteriores, com fraturas e deterioração do material por fadiga adesiva, causada por contatos prematuros e falta do mínimo de apoio em dentes posteriores e ainda ausência de guias!

Erros odontológicos

Se o paciente não for negligente, como foi citado acima, as fraturas acontecem por dois erros odontológicos básicos:

  1. Adesão
  2. Oclusão

Talvez você esteja focando só na estética e se esquecendo do que você pode fazer para manter seu trabalho em longo prazo na boca do paciente! Primeiro, sem muita teoria, pois aqui o objetivo é sempre te ajudar na prática.

Vou enumerar 10 cuidados clínicos que você tem de ter quando se fala em adesão dentária, seja ela em resina ou cerâmica.

1. Utilize Adesivos que sejam “padrão ouro” ou que tenham histórico positivo de pesquisas científicas.

2. Condicione o dente pelo tempo correto, nem mais nem menos.

3. Nunca seque a dentina após o condicionamento, seque só o esmalte. A dentina deve ser enxugada.

4. Ao aplicar o adesivo, utilize o microaplicador e esfregue sobre a superfície para o adesivo penetrar nos canalículos da dentina recém-condicionada. Não deixe nenhum ponto sem adesivo, quanto menor o aplicador mais eficiente, pois o adesivo é pressionado em todos os cantinhos.

5. Evapore o solvente do adesivo. Este é o passo mais importante da adesão. Use um ar seco e livre de qualquer impureza, como óleo ou gotículas de água. O compressor de ar pode precipitar água nas mangueiras e seu ar sair contaminado. Verifique o filtro do compressor ou compre um Tooth Dryer, que emite ar seco e morno.

6. Fotopolimerize com muito cuidado. Não tenha pressa!

7. Se você estiver utilizando um adesivo simplificado de um frasco só, aplique sobre ele um adesivo com carga livre de HEMA-Hidroxi-Etil-Metacrilato ou simplesmente aplique uma fina camada de resina Flow sobre ele e fotopolimerize.

8. Não contamine a área adesivada. Não passe algodão, gaze ou qualquer outra coisa que vá tirar o brilho da superfície.

9. Quando for aderir resina ou cerâmica sobre uma resina pré-existente, use um jato de óxido de alumínio ou condicione com ácido fluorídrico e aplique um silano.

10. Não tenha pressa! Quanto maior a porção de resina que você colocar, maior a contração e maior a chance de o paciente sentir dor pós-operatória.

resinas e porcelanas quebram

A fotopolimerização é um processo fundamental na restauração.

Oclusão e desoclusão

Quanto à oclusão, para não tornar este texto muito complexo, vamos mencionar o que é realmente importante para a longevidade dos trabalhos.

A verdade é que hoje está muito na moda fazer cursos de implantes, estética, ortodontia, mas na verdade em muitos desses cursos não se dá nenhuma ênfase à oclusão prática, e a sua importância é fundamental.

Vamos supor que um paciente queira aumentar os dentes anteriores e gostaria de restaurar os dentes com laminados cerâmicos, ou apenas facetas de resina composta. É impossível um resultado satisfatório em longo prazo se o paciente não estiver equilibrado sob o princípio de proteção mútua. Esse princípio diz que os dentes posteriores protegem os dentes anteriores e vice-versa.

Outro princípio que é constantemente negligenciado é o princípio da desoclusão. Se o paciente não tiver uma desoclusão suave, tende a tencionar mais a musculatura e essa pode responder com fraturas e desdesgastes dentários.

O que é importante saber

O que você deve saber antes de colocar sequer uma porção de resina em um dente anterior:

1. O primeiro ponto a considerar não é nem dentário, e sim muscular. Esse paciente tem dor? Se tiver, você tem que analisar a oclusão. Você pode ter problemas com o novo trabalho.

2. Este paciente tem guia canina? Tem altura suficiente para liberar os laterais e proteger as suas resinas de possíveis fraturas?

3. A guia canina tem altura suficiente para levantar todos os posteriores tanto em trabalho como em balanceio? Você deve aumentar a guia do canino.

4. O paciente tem contato prematuro em dentes anteriores? Você deve aliviar isso executando a premolarização da lingual dos anteriores.

5. O paciente tem um toque correto e fisiológico concomitante nos segundos molares e nos caninos formando um “quadripé” de apoio? (Prof. Antônio Ribeiro Pereira – Comunicação Pessoal).

6. O paciente tem o máximo de pontos de oclusão nos molares? Tem dentes sem tocar? Você deve fazer um ajuste oclusal tanto por desgaste seletivo como por acréscimo.

7. O paciente tem interferência oclusal com contato em cristas triangulares e fora do sulco central? Você deve ajustar isso também.

8. Você tem um “casamento” correto entre as cúspides funcionais dos superiores e inferiores nos sulcos centrais dos respectivos dentes?

9. Você tem algum contato prematuro posterior em posição de fechamento (Prof. Antônio Ribeiro Pereira – Comunicação Pessoal) que “empurra” a mandíbula para frente, fazendo com que os dentes inferiores venham a se chocar com a lingual dos superiores anteriores?

10. Seu paciente perdeu a Dimensão Vertical de Oclusão (DVO)? Você deve corrigir isso. Utilize carbonos com a técnica de dupla marcação. Os carbonos da Bausch são os que trabalham desta forma.

Sem analisar esses 20 aspectos, é bem provável que seu trabalho tenha vida curta.

Caso clínico

Vamos agora, rapidamente, analisar um caso extremo de bruxismo em que não estaria indicado em hipótese alguma restaurações de resina composta por fins estéticos. Este paciente não queria realizar uma reabilitação oral e queria apenas fechar o diastema e aumentar os dentes.

Este caso demonstra o poder que tem uma oclusão balanceada. Nós ajustamos o paciente apenas com adição de resina composta nos dentes posteriores, demos toques em todos os dentes e restauramos a guia canina também com resina composta.

Fizemos com que esse paciente “destravasse” por meio de desgastes nas cristas triangulares e cúspides posteriores, facilitando a saída (guias de desoclusão). É um caso que já está com um ano na boca e sem nenhum reparo!

resinas e porcelanas  resinas e porcelanas

Autor: Dr. Wanderley de Almeida Cesar Jr.

Sobre o autor: Clínico em tempo integral, CEO & Founder da Odontostudio Franquias Inteligentes, Mentor e Head Trainer do DLA (Dentistry Leadership Academy). Especialista e mestre em dentística pela FOB/Forp-USP, diretor de mídia da Sociedade Brasileira de Odontologia Estética. Especialista com MBA em Marketing, Practioner, Master e Trainer em PNL (Programação Neurolinguística – Amadeus Talentos – Espanha). Professional e Self Coach (IBC, European Coach Association e Global Coaching Comunity), Behavioral Analyst Assesment e especialista em Psicologia Evolucionista da Necessidades Humanas pela Matrix University.

Agora que você já sabe por que resinas e porcelanas quebram e como evitar fraturas, leia nossos Casos Clínicos. São relatos de profissionais que analisam novas técnicas para você utilizar no consultório.

Fonte: 39ª Edição da Revista Surya News

Comentários

  1. Marisa Medeiros Gonçalves disse:

    Meu dentista e bom.mad já fiz 3 x restauração em um dente inferior e as 3 x duram so 3 dias á sem mais e sem menos quebram.pq.

    1. Oi Marisa,

      certifique-se de que você está tendo os cuidados adequados com os seus dentes.

      Caso esteja, e mesmo assim, eles se quebrem, talvez seja ideal fazer uma restauração mais forte, ou até encontrar outro profissional.

      Muito obrigado pelo comentário!

  2. Leandro Mendes disse:

    Eu tinha uma restauração em um dente com canal, depois de 10 anos ele quebrou um pedaço e depois a restauração caiu, eu fiz novamente a restauração mas um mês depois ela quebrou somente naquele lugar que o dente tinha quebrado, fui no consultório e colocaram resina somente naquele lugar e dois dias depois comendo bolo ela soltou e senti que mastigue o pedaço e cuspi, será que vou ter que refazer a restauração? Estou com medo de me cobrarem achando que não tomei cuidado. É o segundo dente de traz pra frente de baixo, não dá pra notar mas acho que não pode ficar quebrado né.

    1. Olá, Leandro, tudo bom?

      É sempre bom procurar um profissional para validar a situação. O ideal é que seja feita a restauração novamente para que seus dentes permaneçam protegidos.

      Obrigado pelo comentário, continue acompanhando nosso blog!

  3. Aparecida disse:

    Eu uso implante de prcelana total na parte superior desde 2011, ou seja, tenho 8 titanos implantados, portanto alguns dentes estão fixados nesses titanos e os outros são colados a esses dentes fixados, porém um dente da frente(um daqueles 2 q são os maiores) deu uma descascada, quebrando a ponta. Já tentei colar com resina, mas o serviço não dura, pq a resina não adere a porcelana(ceramica). A pergunta q faço é a seguinte: vou ter q trocar a prótese total por causa desse unico dente quebrado ou vc me orienta uma outra maneira q soluciona meu problema sem ter perder a minha protese total? Ah, esses meus implantes não tem gengiva artificial, talvez esse detalhe fica mais claro a minha peegunta. Aguardo anciosa uma resposta.

    1. Oi Aparecida, tudo bom?

      para saber o que é melhor para o seu caso, recomendamos que você procure um dentista de sua confiança. Isso porque, analisando o seu caso com mais calma, ele saberá o procedimento correto.

      Abraços!

  4. Priscila disse:

    Minha filha tem 7 anos e quebrou o a metade do dente definitivo da frente, fiz restauração com Resina há 4 meses do nada soltou, preciso pagar o procedimento novamente? Guardei a resina que caiu, pode ser reimplantado?

    1. Olá Priscila,

      recomendamos que você procure o profissional que fez a restauração, pois ele poderá lhe aconselhar melhor.

      Muito obrigado pelo comentário!

  5. dirceu de lima disse:

    tenho bruxismo e minha arcada esta um poucos desgastada .qual seria um melhor tratamento para o meu caso para recuperar os dentes?

    1. Olá, Dirceu,
      a princípio o ideal seria a colocação de resinas ou porcelanas, pois elas recuperariam a integridade do dente. Porém, procure um cirurgião-dentista, pois pode ser necessário fazer outro procedimento como a recuperação da gengiva, tratamento de canal ou colocação de próteses em algum dente fraturado.

      Obrigado pelo comentário!

Fala pra gente o que achou

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Feito por Nerau Studio