Pesquise por hashtags, nomes, e assuntos Pesquisar
Abordagem interdisciplinar no tratamento da agenesia bilateral de incisivos laterais superiores

Abordagem interdisciplinar no tratamento da agenesia bilateral de incisivos laterais superiores

Introdução

A evolução da Odontologia nas últimas décadas através do aperfeiçoamento dos materiais, técnicas e métodos diagnósticos disponibilizou um grande arsenal de recursos ao clínico, tornando possível solucionar praticamente qualquer caso (MAGNE & BELSER, 2002).

A agenesia de incisivos laterais superiores é um distúrbio que, na grande maioria dos casos, traz como consequência uma estética bastante desagradável para o paciente. Existem duas alternativas terapêuticas para a substituição dos incisivos laterais congenitamente ausentes, a primeira é manter o espaço para reabilitações com implante ou prótese, e a segunda é fechar o espaço através da ortodontia e posterior reanatomização, convertendo os caninos em incisivos laterais e os pré-molares em caninos (AKTAS et al., 2010).

Planejar antecipadamente tratamentos integrados de uma forma sistemática e interdisciplinar, vislumbrando o resultado final do tratamento reabilitador, deve ser à estratégia para resolver previsivelmente situações clínicas complexas (SPEAR et al., 2006; SPEAR & KOKICH, 2007; LIMA, 2011).

A implantodontia, a partir da osseointegração, tornou-se uma importante alternativa terapêutica para reabilitação de áreas edêntulas (ALBREKTSSON et al., 1986; BUSER et al., 1997). O sucesso nos tratamentos implanto suportados em regiões arnteriores devem considerar o fator estético como um critério fundamental a ser alcançado (SMITH et al., 1989, BUSER et al., 2004). Nesse contexto, a instalação dos implantes em seu correto posicionamento tridimensional, através do planejamento reverso, possibilita a previsibilidade na manutenção, a estabilidade dos tecidos duros e moles e a resolução protética ideal (BUSER et al., 2004).

Além disso, preparos protéticos mais conservadores apresentam-se como uma realidade na prática clínica atual, com alta taxa de sucesso a longo prazo (MAGNE & BELSER, 2002; COTERT et al., 2009; GRANELL et al., 2010). Os materiais cerâmicos modernos, permitem a recriação da cor do dente, forma e estrutura para restabelecer não apenas o sorriso de um paciente, mas também sua auto-estima (MAGNE & BELSER, 2002).

Considerando que o número crescente de pacientes que necessitam de intervenções funcionais, através da abordagem interdisciplinar, e que a expectativa estética é cada vez mais alta, este trabalho foi idealizado com o objetivo de, através de descrição de um caso clínico, considerar as diferentes técnicas e estratégias relatadas para solucionar a ausência genética bilateral dos incisivos laterais superiores.

Relato de Caso Clínico

Apresentação do Caso

A paciente gênero feminino, 47 anos, Enfermeira, apresentava ausência congênita dos inicivos laterais superiores. Procurou o atendimento odontológico, pois não sentia-se segura ao executar a função mastigatória na região anterior, bem como evitava sorrir em virtude da estética dos seus dentes.

A paciente havia sido submetida a tratamento odontológico à três anos. Facetas de resina composta foram confeccionadas para os elementos dentais de 15 à 25. Nessa época, foi utilizado resina composta para reanatomização do incisivo lateral decíduo 52, e uma prótese adesiva foi instalada para substituir o elemento 22 (Figura 1).

foi utilizado resina composta para reanatomização do incisivo lateral decíduo 52, e uma prótese adesiva foi instalada para substituir o elemento 22

Figura 1 – Situação clínica inicial

Plano de tratamento

O plano de tratamento começou com uma anamnese detalhada, ouvindo atentamente todos os desejos e preocupações da paciente. Um exame clínico seguido de uma série de fotografias foi executado. Foi realizado moldagem, obtenção dos modelos para estudo e montagem em articulador semi-ajustável. O planejamento virtual do sorriso foi executado e que forneceu as informações complementares para o enceramento diagnóstico (Figura 2).

A partir modelo encerado e replicado em gesso, uma guia cirúrgica de acetato foi fabricada em uma plastificadora a vácuo (PlastVac P7 – Bio-Art).

Os resultados do estudo da Tomografia Computadorizada Cone Bean do rebordo na maxila revelou alturas e larguras ósseas adequadas para instalação de implantes de forma simples e previsível (Figura 2 e 3).

Os resultados do estudo da Tomografia Computadorizada Cone Bean do rebordo na maxila revelou alturas e larguras ósseas adequadas para instalação de implantes de forma simples e previsível

Figura 2 – Planejamento virtual do sorriso

Procedimentos Clínicos

Fase Cirúrgica

Foi executado a exodontia do elemento 52 e curetagem apical seguido da instalação de um implante imediato na região do elemento 12. Para o implante do elemento 22 uma incisão de espessura total foi executada utilizando de uma incisão na zonas de crista óssea edêntula e incisões sulculares dos dentes adjacentes. Dois implantes Bone Level SLA 3.3 x 10 (Straumann, Waldenburg, Suíça) foram colocados nas posições de 12 e 22 de acordo com a guia cirúrgica (Figura 3).

Os tampa de cicatrização de 0,5mm foram instaladas, e a ferida foi suturada de acordo com o protocolo. Foi utilizado fio nylon 5.0 monofilamentado não reabsorvível. Próteses adesivas provisórias foram executadas.

A cicatrização das feridas pós-operatórias aconteceu sem intercorrências. As suturas foram removidas após 7 dias.

A cicatrização das feridas pós-operatórias aconteceu sem intercorrências. As suturas foram removidas após 7 dias.

Figura 3 – Planejamento virtual do sorriso e radiografias periapicais tras-cirúrgica

Fase Provisória

Após 2 meses tudo estava cicatrizado, a reabertura cirúrgica foi executada e cilindros provisórios foram posicionados sobre os implantes (Figura 4). Facetas pré-fabricadas foram capturadas e embasadas com resina flow (Estelite Flow Quick – Tokuyama – Japão) iniciando o processo de condicionamento gengival dos elementos 12 e 22.

Após 21 dias foi possível observar o condicionamento gengival obtido a partir dos provisórios (Figura 5). Facetas diretas de resina composta foram confeccionadas nos elementos dentários 13, 11, 21 e 23 a fim de alinhar e harmonizar o sorriso conforme o planejamento prévio.

Cilindros provisórios posicionados sobre os implantes

Figura 4 – Cilindros provisórios posicionados sobre os implantes

Condicionamento gengival e perfil de emergência obtido através da personalização do provisório

Figura 5 – Condicionamento gengival e perfil de emergência obtido através da personalização do provisório

Restaurações definitivas

Depois de dois meses, a paciente aprovou a estética e conforto mastigatório. Preparos para facetas dos elementos 13, 11, 21 e 23 foram executados sobre as restaurações temporárias (Figura 6).

Canaletas de demarcação de preparo sobre as restaurações provisórias

Figura 6 – Canaletas de demarcação de preparo sobre as restaurações provisórias

As restaurações provisórias dos elementos 12 e 22 conectadas aos análogos do implante foram introduzidas em silicone transparente (Scan Translux – Yller Biomateriais SA – Brasil), e, em seguida, removido as coroas provisórias do análogo, obteve-se um modelo do perfil de emergência gengival em silicone, criado pelo condicionamento do provisório. Depois disso, foi conectado os transferentes aos análogos e vazado resina composta flow A1 (Estelite Flow Quick – Tokuyama – Japão) (Figura 7).

Personalização dos transferentes de moldagem

Figura 7 – Personalização dos transferentes de moldagem

Os transferentes individualizados com resina flow foram fixados em boca. Os terminos dos preparos dos elementos 13, 11, 21 e 23 foram retraídos com fio nº 000 (Ultrapak – Ultradent – USA) não impregnado. Um segundo fio nº 0 (Retractor – Maquira – Brasil) foi introduzido por toda extensão dos preparos (Figura 8).

Transferentes personalizados e fios retratores posicionados previamente a moldagem

Figura 8 – Transferentes personalizados e fios retratores posicionados previamente a moldagem

Para a impressão final, usamos uma moldeira personalizada, pela técnica de moldeira aberta e um silicone de adição em consistência pesada e leve (Scan Putty e Scan Light – Yller Biomateriais SA – Brasil) foram utilizados como o material de escolha (Figura 9).

Moldagem de transferência em silicone de adição

Figura 9 – Moldagem de transferência em silicone de adição

O registro oclusal foi realizado com silicone bite (Scan Bite – Yller Biomateriais SA – Brasil). Novos provisórios com resina composta direta foram realizados para os elementos 13, 11, 21 e 23 com um ponto de adesão no centro de cada restauração. Os provisórios dos implantes foram posicionados novamente em boca e os modelos foram encaminhados para o laboratório.

Nos implantes dos elementos 12 e 22 o técnico em prótese dentária confeccionou abutments personalizados em óxido de zircônia sobre os pilares (Variobase – Straumann – Suíça). Coroas totais em dissilicato de lítio (IPS e.max – Ivoclar Vivadent), tipo prótese cimentada, foram selecionadas como alternativa estética sobre a zircônia (Figura 10).

Abutments personalizados de zircônia e coroas de emax para próteses sobre implantes

Figura 10 – Abutments personalizados de zircônia e coroas de emax para próteses sobre implantes

Nos preparos dos dentes quatro facetas de dissilicato de lítio (IPS e.max – Ivoclar Vivadent) foram aplicadas (Figura 11).

Abutments, coroas e facetas

Figura 11 – Abutments, coroas e facetas

As peças protéticas apresentaram perfeita adaptação sobre o modelo de trabalho (Figura 12).

Peças protéticas adaptadas sobre modelo

Figura 12 – Peças protéticas adaptadas sobre modelo

A prova seca das cerâmicas metal-free foi realizada. Houve uma excelente adaptação das peças protéticas aos preparos e a estética foi aprovada pela paciente.

Sob isolamento absoluto modificado, o parafusamento dos abutments sobre os implantes seguiu o protocolo do fabricante com 35N de torque para o pilar Variobase (Figura 13).

Parafusamento dos abutments 35N de torque sobre os implantes

Figura 13 – Parafusamento dos abutments 35N de torque sobre os implantes

A seguir o protocolo de cimentação padrão foi conduzido. Fios retratores nº 000 (Ultrapak – Ultradent – USA) foram introduzidos nos preparos. Aplicação de acido fosfórico por 15 segundos em dentina e 30 segundos em esmalte, lavagem abundante pelo dobro do tempo de aplicação do ácido (Figura 14).

Retração e condicionamento dos tecidos

Figura 14 – Retração e condicionamento dos tecidos

O sistema adesivo (Ybond Mono – Yller Biomateriais SA – Brasil) foi utilizado de acordo com as instruções do fabricante. As peças haviam recebido o jateamento com oxido de alumínio no laboratório, logo foram condicionadas com ácido fluorídrico por 20 segundos, lavadas abundantemente, secas e silanizadas por 60 segundos com agente de união (Sylano – Yller Biomaterias SA – Brasil). Sobre os copins de zircônia foi aplicado agente de união (Yzap – Yller Biomateriais SA – Brasil) O cimento resinoso livre de aminas (Ycem Veneer – Yller Biomateriais SA – Brasil) na cor bleach foi utilizado para a cimentação das facetas dos elementos 13, 11, 21 e 23. Para a cimentação das coroas sobre os abutments foi utilizado o cimento dual, de mesma cor, também livre de aminas (Ycem 4all – Yller Biomateriais SA – Brasil) (Figura 15).

Protocolo de cimentação adesiva coroas e facetas

Figura 15 – Protocolo de cimentação adesiva coroas e facetas

Os excessos foram removidos com lamina de bisturi nº 12. O resultado imediato das restaurações anteriores mostraram-se satisfatórias (Figura 16) e a aparência do sorriso extremamente natural (Figura 17).

Resultado imediato

Figura 16 – Resultado imediato

Resultado 15 dias após cimentação

Figura 17 – Resultado 15 dias após cimentação

Sorriso em vista lateral

Figura 18 – Sorriso em vista lateral

Sorriso em vista frontal pré operatório, planejamento digital e pós operatório

Figura 19 – Sorriso em vista frontal pré operatório, planejamento digital e pós operatório

Considerações Finais

O diagnóstico e o planejamento, desenvolvidos no início do caso, auxiliam na determinação das necessidades, previsibilidade e prognóstico dos procedimentos cirúrgicos e protéticos que foram executados.

Ao remodelar o sorriso de uma paciente através de técnicas restauradoras modernas e implantes dentários podemos recuperar o conforto, a funcionalidade, a estética e a auto-confiança de uma paciente.

 

BIBLIOGRAFIA

ALBRELTSSON, T. A multi-center report on osseointegrated oral implants. J Prosthet Dent, 60:75-84, 1988.

AKTAS, G.; CANAY, S.; AKTAS, A.; EL,H.; BAYRAMOV. Interdisciplinary approach for congenitally missing maxillary lateral incisors. The Internet Journal of Dental Science. Roma , v.8, n.2, 2010.

BUSER, D.; MIRICSKE-STERN, R.; BERNARD, J. P.; BEHNEKE, A.; BEHNEKE, N.; HIRT H. P. et al. Long-term evaluation of non-submerged ITI implants. Part1: 8 year life table analysis of a prospective multi-center study with 2359 implants. Clin. Oral. Imp. Res; 8:161-72, 1997.

BUSER, A.; MARTIN, W.; BELSER, U. C. Optimizing esthetics for implant restorations in the anterior maxilla: anatomic and surgical considerations. Int J Oral Maxillifac Implants, 19(SUPPL):43–61, 2004.

COTERT, H. S.; DUNDAR, M.; OZTURK, B. The effect of various preparation designs on the survival of porcelain laminate veneers. J Adhes Dent, 11:405–411, 2009.

GRANELL-RUIZ, M.; FONS-FONT, A.; LABAIG-RUEDA, C.; MARTÍNEZ-GONZÁLEZ, A.; ROMÁN-RODRIGUEZ, J. L.; SOLÁ-RUIZ, M. F. A clinical longitudinal study porcelain laminate veneers. Period of study from 3 to 11 years. Med Oral Patol Oral Cir Bucal,15:e531–e537, 2010.

LIMA, F. Prótese dentária: fundamentos e técnicas, reabilitaçao oral para todos. 2ed., Ed. Editora Ponto, 2011.

MAGNE, P.; BELSER, U. Bonded Porcelain Restorations in the Anterior Dentition: A Biomimetic Approach. Chicago: Quintessence, 2002.

SPEAR, F. M.; KOKICH, V. G.; MATHEWS, D. P. Interdisciplinary management of anterior dental esthetics. J Am Dent Assoc, 137;160-169, 2006.

SPEAR, F. M.; KOKICH, V. G. A Multidisciplinary Approach to Esthetic Dentistry Dent Clin N Am, 51, 487–505, 2007.

Autores:

Gregori Franco Boeira

Mestre e PhD em Dentística Restautradora – PPGO-UFPel

Especialista em Implantodontia – IPENO – Florianópolis – SC

Prática clínica privada com ênfase em Odontologia Restauradora e Estética em Pelotas – RS

Alexandre Domingues Boucinha

Técnico em Prótese Dentária

Compre produtos Yller na Surya Dental 

Summary
Abordagem interdisciplinar no tratamento da agenesia bilateral de incisivos laterais superiores
Article Name
Abordagem interdisciplinar no tratamento da agenesia bilateral de incisivos laterais superiores
Description
A agenesia de incisivos laterais superiores é um distúrbio que traz uma estética bastante desagradável para o paciente. Confira nesse caso clínico.
Author
Publisher Name
Blog Surya Dental
Publisher Logo

Fala pra gente o que achou

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Feito por Nerau Studio