Cigarro pode causar alteração de voz?

cigarro

Hoje é o Dia Nacional de Combate ao Fumo, esta data  foi estabelecida em 1986 pela Lei Federal 7.488 que normatizou o controle do tabagismo como problema de saúde coletiva e desta forma reforçar as ações nacionais de sensibilização e mobilização da população para os danos sociais, políticos, econômicos e ambientais causados pelo tabaco.

Câncer de boca afeta 7% da população mundial e Brasil está em 4º lugar

O tabagismo é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a principal causa de morte evitável . São aproximadamente 2 bilhões de fumantes e isso equivale a um terço da população adulta existente no planeta. Mundialmente, cerca de 5 milhões de pessoas morrem por ano em decorrência do tabagismo.

Cigarros eletrônicos destroem células bucais em poucos dias

Ao fumar, você permite que mais de 4500 substâncias químicas tóxicas entrem pela boca e afetem todo o corpo. Uma vez que é consumido via oral, o tabaco provoca diversas alterações na flora bucal, onde também causa graves prejuízos à saúde oral, como o câncer bucal, manchas nos dentes, língua e mucosas, deixando a boca com manchas escuras denominadas melanose do fumante. As defesas do organismo ficam diminuídas, tanto sistêmicas quanto locais, prejudicando a cicatrização de feridas e a ossointegração de implantes dentários.

Fumar enfraquece gene que protege as artérias, aponta estudo

Outro agravante é a diminuição do fluxo salivar (boca seca) causada por essas substâncias, diminuindo a “limpeza” fisiológica do próprio organismo, aumentando a halitose do paciente. Vários estudos comprovam a associação hábito de fumar com a doença periodontal que é um processo inflamatório crônico da gengiva e/ou dos tecidos de suporte dos dentes, podendo levar à reabsorção óssea alveolar, ao aumento da mobilidade dental, à exposição das raízes e perda dos dentes.

Isso acontece porque, quando passam pela boca, os gases tóxicos do cigarro colocam o sistema imunológico imediatamente em alerta, causando irritação e agressão às mucosas bucais e respiratórias. Em seguida, seguem para a traquéia e os pulmões, infiltrando-se no sistema circulatório, onde “percorrem” todo o corpo, causando diversos problemas de saúde.

Inimigo silencioso pode ser evitado abolindo cigarro e álcool

O fumo é altamente nocivo para a voz, pois a fumaça quente agride o sistema respiratório e as pregas vocais, alterando o seu funcionamento e podendo causar ressecamento, irritação, pigarro, edema (inchaço), tosse, além de aumentar a produção de secreções e causar infecções diversas.

“Por questões anatômicas, as pregas vocais funcionam como aparadores das impurezas, e substâncias como a nicotina podem acabar ficando depositadas nelas e na região da laringe causando rigidez, dificultando a sua movimentação e flexibilidade e prejudicando a produção da voz e a qualidade vocal”, diz Perla do Nascimento Martins, fonoaudióloga com especialização em Voz pelo CEFAC/SP.

Essa alteração da voz é ainda mais perceptível nas mulheres que costumam ter naturalmente a voz mais suave e doce. “Se a voz de um homem fica mais grave ela não é percebida como alteração, pois apenas aparenta ser mais forte e confiável”, diz a especialista.

Sem som
Se a pessoa começar a apresentar uma voz mais grossa e não fizer nada a respeito e ainda por cima insistir em continuar com o hábito de fumar, ela pode acabar perdendo a fala. “A perda da voz pode acontecer pela tensão excessiva que o fumante faz em busca da voz ideal. O sistema sofre sobrecarga para produzir uma voz equilibrada e aí o trato vocal perde a competência de funcionar de forma harmônica tendendo a fazer mais esforço com mais gasto de energia, ocasionando cansaço e fadiga”, diz a especialista.

Para tratar o problema é preciso, antes de mais nada, parar de fumar, pois assim muitos sintomas já começam a diminuir ou são eliminados. Vale ressaltar que esse processo tem relação importante com o tempo de tabagismo e a saúde de cada pessoa.

“O tratamento fonoaudiológico consiste na realização de exercícios específicos que visam à adequação do processo fonatório. Os exercícios realizados promovem melhor padrão respiratório, vibração e flexibilidade das pregas vocais, ativam a circulação sanguínea para facilitar as trocas celulares, eliminam das toxinas e reduzem o edema”, diz Perla.

Outros problemas
Além da alteração da voz, é comum os fumantes relatarem dificuldades respiratórias e instabilidade vocal durante a fala, precisando fazer pausas inadequadas para respirar ou para limpar a garganta por causa do excesso de secreção na região da laringe.

“Esse acúmulo de secreções está associado à parada temporária da movimentação das células ciliadas responsáveis pela eliminação de secreções e corpos estranhos do trato respiratório. As células param sua movimentação por uma hora a cada cigarro utilizado”, diz Perla.

O cigarro também pode ocasionar destruição progressiva dos alvéolos pulmonares, como no caso do enfisema pulmonar, lesão que apresenta a formação de “grandes bolhas de ar” no lugar do tecido pulmonar normal. Além disso, o tabagismo está associado a quadros de câncer na região de cabeça e pescoço, cavidade bucal, face, entre outros órgãos e estruturas vitais do nosso corpo.

Fonte: INCA e Terra

Compre os materiais para seu consultório clicando aqui ou pelo 0800 6021717

Quer receber nossas novidades? Deixe seu e-mail.

Deixe um comentário