Radiografias mais utilizadas em odontologia

radiografia

Quais são os exames radiográficos na rotina odontológica?

São várias as radiografias que um dentista pode solicitar. O tipo de radiografia solicitado dependerá, em grande parte, do tipo de cuidados que o paciente precisa receber.

A seguir, alguns dos tipos mais comuns de radiografias solicitados.

  • Periapical: fornece visualização de detalhes de um dente ou um pequeno grupo de dentes, desde a parte superior do dente até o osso que ajuda a apoiar o dente.

  • Interproximal: fornece visualização das arcadas dentárias superior e inferior. Essa radiografia também pode ajudar ao mostrar ao dentista como esses dentes se tocam uns nos outros.

  • Panorâmica: fornece a visualização dos dentes, mandíbulas, área nasal, seios nasais e articulações da mandíbula

  • Oclusal: fornece visualização nítida do assoalho da boca e ajuda a descobrir qualquer dente extra ou dentes que ainda não nasceram

O cirurgião-dentista costuma executar os exames intrabucais no seu consultório e solicita as técnicas extrabucais para serviços especializados. Na atualidade, a maioria das especialidades utiliza a técnica panorâmica por ser de fácil execução e pelo fato de que, numa radiografia, visualizam-se as estruturas que compõem o complexo maxilomandibular, assim como estruturas anexas, como órbitas, seios maxilares, fossa nasal e articulações temporo-mandibulares.

O que são os chamados métodos recentes aplicados à Radiologia Odontológica?

A imagem radiográfica nada mais é que a projeção de uma estrutura anatômica tridimensional numa superfície plana (filme radiográfico). Modernamente, o cirurgião-dentista dispõe de uma série de exames nos Serviços de Radiologia.

Tais exames especiais fornecem subsídios em terceira dimensão que facilitam todos os procedimentos terapêuticos. Dentre eles, podemos citar os métodos de localização de corpos estranhos, dentes inclusos ou, simplesmente, de lesões que podem ocorrer na maxila e/ou na mandíbula.

Pelo fato de esses exames darem a noção da terceira dimensão, os procedimentos cirúrgicos são mais precisos e genericamente menos agressivos. Outro tipo de exame bastante difundido nos dias atuais é a tomografia das articulações temporomandibulares.

Cefaléias, dores de ouvido, diminuição da audição, zumbidos e dores orofaciais podem estar associadas aos chamados distúrbios temporomandibulares. A reabilitação oral sofreu nos últimos anos um processo revolucionário associado à descoberta e ao desenvolvimento dos chamados implantes osseintegrados.

Somente com os métodos de localização para implantes, executados com tomografias especiais para visualizar os rebordos alveolares, é possível prever a quantidade de tecido ósseo remanescente, assim como visualizar a relação com reparos anatômicos considerados nobres. O cirurgião-dentista moderno só consegue efetuar esses procedimentos cirúrgicos com segurança por meio desse tipo de exame.

Radiografia panorâmica

A radiografia panorâmica é um importante exame radiográfico utilizado para o diagnóstico e planejamento terapêutico das doenças dos dentes e dos ossos da face. Atualmente, a maioria dos dentistas solicita esse exame no início e no controle dos tratamentos odontológicos. Ela é um excelente exame quando uma visão ampla da maxila e mandíbula é desejada.

O que é radiografia panorâmica e quais são as suas vantagens?

O exame ortopantomográfico, mais conhecido como radiografia panorâmica, é um exame útil e bastante prático para complementar o exame clínico no diagnóstico das doenças dos dentes (cáries ou doenças endodônticas) e dos ossos da face. Através desse exame, o dentista pode visualizar todos os dentes de uma só vez, inclusive os que ainda não estão erupcionados. Cáries, fraturas dentais, infecções ou outras doenças dos ossos que sustentam os dentes podem ser visualizadas e, muitas vezes, diagnosticadas.

Além do diagnóstico das lesões dentais, quais as outras indicações das radiografias panorâmicas?

Praticamente no diagnóstico de todas as lesões dos ossos da maxila e mandíbula. Através desse exame, pesquisam-se reabsorções ósseas e radiculares, cistos, tumores, inflamações, fraturas pós-acidentes, distúrbios da articulação temporomandibular (que causam dor na região de ouvido, face, pescoço e cabeça) e sinusite. É comum solicitá-lo também como exame pré-operatório em cirurgias dos dentes e ossos.

Nas crianças, quando são indicadas as radiografias panorâmicas?

Em Odontopediatria, esse exame tem amplas indicações, tanto na prevenção como no diagnóstico de distúrbios dentais e raciais. O dentista pode fazer o “pré-natal” dos dentes, examinando-os mesmo antes que eles erupcionem, podendo analisar sua localização, forma, angulação e a presença de dentes extranumerários (dentes que excedem o número normal) ou agenesia (falta do germe dentário) e assim prevenir ou atenuar futuros problemas estéticos e/ou relacionados à articulação. O estudo dos ossos na procura por lesões intra-ósseas, como cistos e tumores, também faz parte de uma boa odontologia preventiva.

Existe algum perigo quando se realiza a radiografia panorâmica?

Atualmente, com os modernos aparelhos de raios-x, a proteção dos aventais de chumbo e os filmes mais sensíveis, esse método é bastante seguro. Nas mulheres grávidas, optamos por realizá-lo depois do terceiro mês de gestação ou após o parto, dependendo da necessidade do caso e sempre observando as medidas de segurança.

Exposição às radiações pode fazer mal? 

As máquinas de radiografias dentárias, de fato, utilizam radiações, mas a quantidade de exposição é pequena. A radiografia dentária, por exemplo, tem quantidades ainda menores de radiação quando comparadas aos exames médicos em geral.

O procedimento é seguro na maior parte dos casos. Vale lembrar que nem todos os casos exigem o procedimento radiográfico, porém, quando for necessário, não há motivo para não tratar um problema dental pelo medo da exposição.

Em uma radiografia no consultório do dentista o paciente absorve uma dose de cerca de 0,00001 rad. Pra que houvesse risco aumentado de  ter câncer, seria preciso fazer 100 MIL radiografias em um único ano.

Isso pra aumentar o risco, não para realmente ter câncer. Tem mais radiação num dia de sol – à sombra – e na comida que a gente come do que numa tomada radiográfica odontológica.

O profissional explica que, dependendo da técnica indicada, existem apenas algumas limitações físicas e de idade que entram em questão. “Em casos de gravidez, por exemplo, a paciente deve avisar a clínica. Mas apesar de existirem efeitos da radiação, o paciente é protegido com avental de chumbo durante o exame. Com o advento das radiografias digitais, a dose de exposição é mínima”, completa.

Professor Paulo César www.profpc.com.br

Informe -se sobre a clínica escolhida

Se você foi encaminhado para realizar uma radiografia dentária, deve ficar atento em algumas dicas.

Um procedimento adequado envolve equipamentos que atendam exigências do Ministério da Saúde, material de boa qualidade, aparelhos com menor radiação e uma equipe bem treinada para realizar tudo de forma adequada.

Pesquise, consulte amigos e familiares e obtenha todas as informações necessárias sobre a clínica que você visitará. Dessa forma, você estará tranquilo em realizar sua radiografia de forma segura.

Fonte: Revista da APCD / Colgate/ Sorrisologia/Blog Dr. Dráuzio Varela

Você conhece a Surya Dental? São mais de 15.000 produtos a sua disposição!

Quer receber nossas novidades? Deixe seu e-mail.

Deixe um comentário