síndrome do túnel do carpo

A síndrome do túnel do carpo é uma doença neuro-compressiva que afeta dentistas devido os padrões de movimentos da mão e as condições de trabalho. Associada principalmente aos movimentos repetitivos, à força empregada aos procedimentos e as vibrações dos instrumentos de odontologia.

A principal causa da síndrome do túnel do carpo é a Lesão do Esforço Repetitivo (LER), gerada por movimentos recorrentes. Ela também pode aparecer por lesões causadas por eventos traumáticos, como fraturas, inflamações e alterações hormonais e medicamentosas.

Os sintomas da síndrome do túnel do carpo são sensação de formigamento, dormência e dor nas mãos, em especial nos dedos indicador, anelar e médio. Os sintomas costumam se manifestar de forma mais intensa durante a noite e pela manhã. Essas sensações podem estender-se até o antebraço, braço e ombros, e ao passo que a síndrome do túnel do carpo progride, torna-se difícil manipular objetos pequenos e executar tarefas simples no consultório e fora dele.

E como evitar essa lesão que, ao que parece, é tão recorrente ao profissionais de odontologia?

Evite o acúmulo de procedimentos

Planeje sua agenda diária. Intercale procedimentos longos e curtos e alterne os atendimentos que utilizam técnicas parecidas. Além disso, sempre que possível, insira em sua agenda períodos de pausa para descanso e evite o acúmulo de procedimentos em que você seja obrigado a fazer uso de força. O ideal é que se encontre um equilíbrio entre os atendimentos evitando assim que o mesmo movimento seja repetido por longos períodos.

Use corretamente os equipamentos e faça a manutenção adequada

Os equipamentos do consultório têm que estar sempre em pleno funcionamento. Motores, brocas e cadeiras devem passar por manutenções regulares.

Atenção redobrada aos instrumentos rotatórios utilizados no consultório! Eles podem ser importantes fatores no desenvolvimento da síndrome do túnel do carpo. Além disso, as fortes oscilações mecânicas e as vibrações constantes de aparelhos com imprecisões diminuem a capacidade de desempenho do profissional. E, em muitas situações, aumentam o risco de falhas e acidentes.

Sente-se corretamente em seu mocho

Busque um mocho que traga conforto para o período de atendimento. E procure ter pontos de apoio para braços, quando possível. A estrutura do mocho é muito importante, pois você irá passar boa parte do seu dia nele. Porém, é necessário que se tenha uma atenção especial a postura. De nada adianta um ótimo equipamento se ele não for utilizado de forma correta.

Fatores de risco

Algumas condições de saúde aumentam o risco de desenvolver a síndrome do túnel do carpo. Alterações dos hormônios da tireoide, obesidade e diabetes podem ser gatilhos para neuropatias, portanto, faça o acompanhamento desses fatores com seu médico.

Padrão de tempo

Organize sua agenda e faça o planejamento de seus atendimentos seguindo um padrão de praticidade e conforto. Realize procedimentos com um padrão de tempo adequado a sua postura. Procedimentos realizados durante longos períodos e com uso extenuante de força laboral podem comprometer seus movimentos a longo prazo.

Faça uma planilha com as estimativas de tempo e tente segui-la. Anote as variações e atualize os dados de acordo com sua capacidade física. Fique atento aos incômodos e registre o período que esteja dentro da sua zona de conforto. Essa técnica irá te auxiliar também no controle da agenda de trabalho.
síndrome do túnel do carpo

Ginástica laboral

A ginástica laboral é uma série de exercícios realizados no ambiente de trabalho que visam diminuir a incidência da Lesão do Esforço Repetitivo (LER), principal causa da síndrome do túnel do carpo.

O ideal é que se faça essa ginástica visando a saúde de todo o corpo, inserindo exercícios de alongamentos e relaxamento dos punhos e braços. Sessões de 10 a 15 minutos diários já surtem efeitos. Procure um fisioterapeuta para as indicações corretas para essa prática.

Não faça uso de medicamentos para síndrome do túnel do carpo por conta própria.

A síndrome do túnel do carpo é frequentemente confundida com outras patologias, e o uso de medicamentos de forma indiscriminada pode mascarar seus sintomas. Essa prática de uso de remédios sem indicação dificulta o diagnóstico da síndrome, pois oculta seus sintomas,sendo a principal causa de prejuízos irreparáveis a saúde do paciente. Portanto, sempre busque orientação profissional antes de iniciar tratamentos medicamentosos.

É importante frisar que o diagnóstico da síndrome do túnel do carpo necessita de avaliação médica especializada. Esse reconhecimento é feito por meio de testes clínicos ou laboratoriais. Já o tratamento pode incluir fisioterapia, uso de anti-inflamatórios, infiltração de corticoides, colocação de órtese para imobilização e cirurgia, dependendo da gravidade e das complicações de cada caso.

Leia também:

Melhores práticas para a boa manutenção da sua peça de mão
7 maneiras que dentistas podem evitar dores nas costas, pescoço e ombros

Quer receber nossas novidades? Deixe seu e-mail.

Deixe um comentário