Pesquise por hashtags, nomes, e assuntos Pesquisar
Ergonomia em odontologia: um guia para cuidar bem de você

Ergonomia em odontologia: um guia para cuidar bem de você

A rotina do cirurgião-dentista exige que o corpo permaneça horas na mesma posição e realize movimentos repetitivos o que, consequentemente, gera um número alto de profissionais que reclamam de dores nas costas, no pescoço, nos ombros e braços. A ergonomia na odontologia às vezes é ignorada ou, em meio de uma rotina corrida, acaba por ficar de lado.

Nos piores quadros, os profissionais da odontologia podem vir a desenvolver Lesões por Esforço Repetitivo (LER)/Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort) que, de acordo com estudo publicado na Revista Brasileira de Odontologia, atingem vasos, tendões, ligamentos, nervos, articulações e fáscias musculares. A consequência é a perda de força, dor, fadiga no local e alteração muscular, o que prejudica a produtividade do dentista.

Diante dessa situação, neste artigo, vamos falar como ergonomia e odontologia devem caminhar de mãos dadas em prol da saúde de cirurgiões-dentistas. Continue a leitura e confira nossas dicas de alongamentos, postura, organização e produtos que irão melhorar a sua rotina.

A LER/Dort dentro dos consultórios

Segundo o estudo citado, há fatores que aumentam o risco de desenvolvimento de LER/Dort, como os movimentos repetitivos, o uso de aparelhos que não possuem qualquer ergonomia, a postura incorreta ao trabalhar, a força excessiva empregada em procedimentos, o estresse pela rotina do consultório e um condicionamento físico que não está preparado para suportar todas essas necessidades.

Com o tempo, tudo isso acaba por gerar complicações para os cirurgiões-dentistas, sendo as mais comuns:

  • Tendinites (inflamação ou lesão do tendão)
  • Tenossinovites (inflamação da bainha do tendão na região em que o músculo se conecta com o osso)
  • Síndrome do túnel do carpo (dormência e formigamento na mão)
  • Bursites (inflamação das bolsas que protegem as articulações)
  • Miosites (inflamação do músculo)

Ainda de acordo com o estudo, os dentistas são profissionais que fazem parte de grupos com mais chances de desenvolver essas patologias, já que atuam em uma área exposta a diversos fatores de riscos, que vão desde o ambiente sem ergonomia, até a pressão psicológica que contribui para a ansiedade e o aumento da tensão de músculos.

Primeiros sintomas

Estar atento aos primeiros sintomas de LER/Dort é fundamental para um tratamento precoce, assim como evitar o desenvolvimento das doenças. Portanto, o indicado é que cirurgiões-dentistas conheçam os indícios das patologias para que possam procurar ajuda profissional. São eles:

  • Dores nos membros superiores e nos dedos
  • Desconforto físico ao fim do expediente
  • Dificuldade para mover dedos e membros superiores
  • Inflamações ocorrentes
  • Dores localizadas
  • Inchaço no local
  • Paralisia

Uma informação importante é que nem sempre esses sintomas vão significar LER/Dort. Às vezes, eles podem ser indícios de doenças ortopédicas, imunológicas, neurológicas ou distúrbios reumatológicos. Por isso, é essencial que o dentista não demore caso sinta algum desses sinais.

Menino pequeno recebendo atendimento odontológico

Instrumentos ergonômicos também devem estar presentes no consultório.

Caso você se identifique com algum sintoma, em primeiro, pause atividades repetitivas, imobilize a área onde sente a dor, faça repouso e procure ajuda médica. E lembre-se: quanto mais tardio o tratamento é iniciado, pior é o diagnóstico.

Ergonomia no consultório odontológico

Como já dissemos, ergonomia e odontologia devem andar de mãos dadas para garantir saúde e produtividade aos dentistas. Portanto, essa prática tem como intuito eliminar qualquer manobra pouco produtiva, gerar conforto e segurança, prevenir doenças e diminuir o estresse dentro do consultório.

Portanto, para trazer a ergonomia ao consultório odontológico, é preciso estar atento a diversos pontos, que vão desde o espaço de trabalho até os instrumentos selecionados para realizar procedimentos.

Para entender melhor, vamos separar essas dicas por tópicos.

Postura ideal para sentar

Esse é um ponto que muitos dentistas pecam. Após horas de trabalho, se não houver um policiamento, a postura estará totalmente incorreta e, consequentemente, o profissional ficará com dores.

A pesquisa “Ergonomia para os mobiliários das salas clínicas dos cirurgiões-dentistas”, por Izabela Perim, explica como os dentistas devem sentar-se para evitar as dores nas costas e outros problemas. Vamos conferir:

  • Ao sentar-se na cadeira mocho, suas coxas devem ficar paralelas ao chão, em ângulo de 90º com as pernas. Os pés devem ficar bem apoiados no piso.
  • As costas e a região renal devem ficar apoiadas no encosto do mocho odontológico, enquanto a cabeça fica levemente inclinada para baixo.
  • A posição do paciente na cadeira mocho deve permitir que a cabeça dele fique no mesmo nível dos seus joelhos.
  • Quanto à altura da cadeira, ela deve estar ajustada de forma que uma das pernas do dentista possa ser colocada sob o encosto, mas sem pressão.
  • Os cotovelos devem ser mantidos juntos ao corpo ou apoiados em um local que esteja no mesmo nível.
  • O cirurgião-dentista deve manter distância de 30 cm da boca do paciente.
  • Ao realizar trabalhos na maxila, o cabeçote deve ser posicionado para baixo; para a mandíbula, ele deve ser acomodado para cima.
Explicação da postura correta para dentistas durante o atendimento

A postura ideal para se sentar faz parte da ergonomia em odontologia.

Iluminação

Se há algo que é fundamental para que os profissionais da odontologia façam um bom trabalho é a iluminação. Ela está presente nas normas de ergonomia NR 17 e interfere diretamente na produtividade.

Caso você esteja se perguntando como a luz poderia estar associada às dores nas costas, é simples: se a iluminação está precária, o cirurgião-dentista precisará se movimentar para encontrar um ponto bom de visão — e ele nem sempre vai ser ergonômico ou confortável.

Quando o ambiente tem uma iluminação adequada, você pode manter uma boa postura e trabalhar tranquilamente, sem qualquer incômodo causado por sombras.

Portanto, vamos relembrar algumas regras da NR 17 sobre iluminação:

  • Todos os locais devem ter iluminação adequada, que pode ser natural ou artificial, desde que apropriada para o trabalho realizado.
  • A iluminação geral deve ser distribuída de forma uniforme e difusa.

No caso da odontologia, a Anvisa indica que a iluminação seja artificial nos ambientes de atendimento. Ela deve ser projetada de forma que não gere sombras ou ofuscamento.

Tamanho do consultório

Sim, o tamanho do consultório é fundamental para o seu conforto e do auxiliar! Já imaginou trabalhar em um local apertado, onde você sequer consegue movimentar o mocho e todos os móveis ficam aglomerados? Sem dúvidas, ninguém quer isso!

Portanto, o indicado é que, no mínimo, o consultório tenha 9 m² (3×3). Locais espaçosos garantem mais mobilidade e conforto para trabalhar.

Mobiliário no consultório odontológico

Como é a organização da mobília do seu consultório? Você segue uma lógica estética, de praticidade ou ergonômica? Assim como existe um jeito certo de sentar no mocho, a ergonomia no consultório odontológico auxilia a deixar o espaço mais confortável para o trabalho.

De acordo com a International Standards Organization (ISO) e a Federation Dentaire Internacionale (FDI), existem algumas medições que os dentistas podem seguir para garantir o posicionamento correto do mobiliário e, consequentemente, a ergonomia.

Abaixo, separamos uma figura feita pela autora do artigo “Ergonomia para os mobiliários das salas clínicas dos cirurgiões-dentistas”, que explica o gráfico criado pela ISO e FDI, semelhante a um relógio. Vamos entender melhor.

  • No eixo, temos a boca do paciente.
  • Em torno do eixo, temos traçados três círculos: A, B e C. Entre eles, respectivamente, temos raios de 0,5 m, 1 m, e 1,5 m.
  • A divisão do consultório acontece em 12 partes, como um relógio.

Quanto às limitações de cada círculo:

  • Em A, temos a zona de transferência. É aqui que devem ficar organizados todos os itens que serão utilizados dentro da boca do paciente, como o equipo. Nessa região, também ficam dois mochos odontológicos: o do dentista e o do auxiliar.
  • No círculo B, temos o espaço destinado para a movimentação de braços e abrir gavetas. É aqui que devem ficar mesas auxiliares, gavetas (quando abertas), corpo do equipo e da unidade auxiliar.
  • Em C, temos os limites do consultório que, como dissemos anteriormente, deve ter 3 m de largura. Mais do que isso, o espaço deixa de ser ergonômico. Nessa área, ficam os armários fixos.

Sistema de relógio proposto pela ISO e FDI. (Fonte: Rreprodução/A autora Izabela Perim)

Alongamentos

Além de entender de ergonomia em odontologia, é importante que os profissionais adicionem em seu expediente uma rotina de alongamentos para prevenir lesões e outras patologias. Em nosso blog, já criamos um conteúdo específico sobre o assunto, portanto, neste artigo, trazemos um vídeo criado pelo canal Mauricio Castello, em que o educador físico Rodrigo Otávio passa algumas dicas rápidas e eficientes.

Dica bônus: cadeira ergonômica

A postura correta é essencial quando falamos em ergonomia na odontologia, por isso ter o assento ideal é importantíssimo.

Cadeira ergonômica Kota

A cadeira Kota é uma ótima solução para quem busca por um modelo confortável para trabalhar no consultório ou em casa.

Ela tem uma estrutura toda em metal e o encosto é de madeira reforçada. Ambas as características contribuem para uma cadeira mais resistente e duradoura.

Quanto aos ajustes, ela oferece a opção de regulagem para a altura do encosto, no movimento de ir para frente e para trás, e também na altura do assento.

Outras características:

  • Alavanca de acionamento do pistão para subida e descida
  • Assento com encaixe das coxas
  • Assento com alavanca para regulagem de inclinação.

produtos sensodyne

Aplicar a ergonomia no consultório odontológico possibilita que cirurgiões-dentistas trabalhem sem que isso cause danos à saúde e atrapalhe a disposição para realizar tarefas da vida pessoal.

Para tornar o seu consultório seguro além da ergonomia, convidamos você a ler o nosso e-book sobre biossegurança. Com as nossas dicas, você torna a sua clínica um local mais seguro para todos. Clique no banner e faça o download gratuitamente.

Fala pra gente o que achou

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Feito por Nerau Studio