Pesquise por hashtags, nomes, e assuntos Pesquisar

Surya Dental

A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO BUCAL EM PORTADORES DE SÍNDROME DE DOWN

Você sabia que a saúde bucal de um paciente portador de Síndrome de Down deve ter cuidados especiais desde a infância?

No Brasil mais de 300 mil pessoas são portadoras da Síndrome de Down, isso representa cerca de 0,14% da população, ou seja, a cada 670 pessoas, uma nasce com essa deficiência. Além disso, a falta de profissionais de Odontologia preparados para esse segmento de atendimento é muito pequena comparada à demanda necessária. Você já pensou em se especializar  nessa área?

Para compreendermos melhor  sobre os pacientes com sofrem da Síndrome de Down, trouxemos para você a entrevista feita pelo blog Ondonto Magazine ,onde a Cirurgiã Dentista, Jane Sanchez,  Coordenadora do NEANE – Núcleo de Estudo e Atendimento a Pacientes com Necessidades Especiais, do curso de Odontologia da Universidade Braz Cubas, responde algumas dúvidas sobre os procedimentos mais aconselhados para serem usados. Acompanhe:

 

Odonto Magazine – Quais são as manifestações orais mais apresentadas pelos pacientes portadores da síndrome de Down?

Jane Sanchez – As manifestações orais na síndrome de Down incluem: mandíbula e cavidade bucal pequena, palato estreito alto e ogival, macroglossia relativa e língua geográfica. É comum a postura da língua aberta, devido a uma nasofaringe estreita, tonsilas e adenoide hipertrofiada. A protrusão da língua e a respiração bucal frequente resultam em secura e fissura dos lábios.
Na região das comissuras labiais, podemos observar a presença de queilite angular, devido à dificuldade do indivíduo em fechar a boca. A dentição apresenta anomalias características, e a doença periodontal é prevalente. Dentre as anomalias dentais, as mais frequentes referem-se à oligodontia, microdontia, hipodontia, fusão e taurodontia.
A hipodontia ocorre nas duas dentições e a microdontia é a mais prevalecente das alterações observadas. As anomalias dentárias de desenvolvimento, como as malformações coronárias e radiculares, também são comuns. Desarmonias oclusais, mordidas cruzadas posteriores, apertognatia e apinhamento pronunciado dos dentes são habituais nestes pacientes.

 

Odonto Magazine – Os pacientes com síndrome de Down, normalmente, apresentam algum tipo de alteração na composição salivar. Como esta modificação pode influenciar na saúde bucal geral?

Jane Sanchez – O fluxo salivar de pacientes com síndrome de Down é, em média, 50% menor do que em crianças normais. Esta redução está vinculada, preferencialmente, ao metabolismo da glândula parótida. Além disso, o pH salivar é mais alto, assim como os níveis de sódio, cálcio e bicarbonato. Consequentemente, a capacidade tampão também é elevada, o que acarreta uma baixa incidência de cárie.

 

Odonto Magazine – Algumas manifestações sistêmicas, como o funcionamento da glândula da tireoide, podem causar modificações no quadro de saúde bucal dos pacientes com síndrome de Down. Quais são as principais alterações sistêmicas? Até onde isso é prejudicial?

Jane Sanchez – A prevalência de doenças da glândula tireoide em pacientes com síndrome de Down é alta. O hipotireoidismo é mais comum nestes pacientes. Os sinais e sintomas do hipotireoidismo, são: diminuição dos reflexos, pele seca, retardo no desenvolvimento intelectual e músculo esquelético, queda de cabelo, sonolência, aumento de peso, colesterol elevado, etc. Tais alterações podem interferir na saúde bucal, visto que interferem na saúde geral do paciente.

 

Odonto Magazine – Qual é a importância da abordagem no atendimento do bebê com síndrome de Down nos primeiros seis meses?

Jane Sanchez – É muito importante examinar a cavidade bucal e detectar, precocemente, alguns problemas de saúde, propiciar a identificação e a intervenção prematura acerca de problemas, tais como: o desmame precoce, a anquiloglossia e as doenças bucais da primeira infância. Alertar quanto à erupção tardia dos dentes decíduos e a higiene, que deve começar antes da erupção, na cavidade bucal.
Uma alimentação adequada – do ponto de vista de consistência e qualidade – e o fracionamento das refeições têm influência direta na saúde oral.
A adoção de hábitos alimentares saudáveis na infância contribui para o bom crescimento, desenvolvimento e prevenção de doenças, portanto, é de fundamental importância detectar, precocemente, os erros alimentares, devido à repercussão na saúde oral e no estado nutricional.

 

Odonto Magazine – Como o profissional de saúde bucal deve agir para buscar capacitação e/ou treinamento no segmento de cuidados odontológicos aos pacientes portadores de síndrome de Down?

Jane Sanchez Em todo o Brasil, temos cursos de especialização oferecidos aos cirurgiões-dentistas.
O curso de Odontologia para Pacientes com Necessidades Especiais, reconhecido pelo Conselho Federal de Odontologia – CFO, tem por objetivo o diagnóstico, a preservação, o tratamento e o controle dos problemas de saúde bucal dos pacientes que apresentam uma complexidade no seu sistema biológico e/ou psicológico, e/ou social, bem como percepção e atuação dentro de uma estrutura interdisciplinar com outros profissionais de saúde e áreas correlatas com o paciente.

 

Se interessou ainda mais? Então conheça algumas Universidades que oferecem especialização nessa área:

• Universidade de São Paulo – Faculdade de Odontologia

• FUNORP – Fundação Odontológica de Ribeirão Preto

• ABO – Associação Brasileira de Odontologia  (Seção do Rio Grande do Sul/ Seção Ceará/ )

•  UNICAMP – Faculdade de Odontologia de Piracicaba

• UNIG – Universidade Iguaçu

•  PUC – Minas Gerais

 

Fonte: Odonto Magazine

Texto: Vanessa Navarro

Fala pra gente o que achou

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Feito por Nerau Studio