Pesquise por hashtags, nomes, e assuntos Pesquisar
Qual o melhor fotopolimerizador odontológico? Conheça opções

Qual o melhor fotopolimerizador odontológico? Conheça opções

O fotopolimerizador é utilizado em restaurações diretas e indiretas, colagem de brackets e acessórios ortodônticos. É um aparelho que deve fazer parte do arsenal clínico de todo profissional que busca trabalhar com uma Odontologia atualizada.

Os fabricantes de materiais estão constantemente desenvolvendo novas tecnologias para os aparelhos, mas você sabe qual o melhor fotopolimerizador odontológico?

Os melhores são os que vão oferecer as seguintes características:

  • Cura rápida, segura, durável e uniforme
  • Controle do tempo e potência
  • Alcance facilitado aos dentes posteriores
  • Peça de mão leve e ergonômica; e uniformidade do feixe de luz.

Veja como surgiu essa tecnologia e quais as opções mais completas disponíveis no mercado para decidir qual comprar!

Os primeiros fotopolimerizadores

A fotoativação de compostos resinosos na Odontologia começou nos anos 70 com o uso de luz ultravioleta (UV), tecnologia que logo foi substituída pelas lâmpadas halógenas.

As halógenas ficaram no mercado por quase 30 anos, apesar de alguns inconvenientes. Como a luz era branca, era preciso um filtro para que o espectro azul pudesse ser utilizado.

Outra desvantagem era o calor gerado, o que exigia um ventilador interno para resfriar o aparelho, o que, consequentemente, o deixava mais pesado. A vida útil da lâmpada também era pequena, cerca de 50 horas.

A fotoativação com LED veio a partir de 1995, inaugurando uma nova fase na cura de resinas, e com benefícios sobre as lâmpadas halógenas: menor geração de calor, maior portabilidade, longevidade e funcionamento com bateria.

A era LED na fotopolimerização está sempre em aperfeiçoamento ao ponto de os novos aparelhos terem modos de programação de acordo com o serviço a ser feito, luzes que atravessam barreiras para uma cura segura e perfeita da resina e fotoativação cada vez mais rápida, otimizando o trabalho do dentista e o tempo de permanência do paciente na cadeira.

dentista utilizando fotopolimerizador para restauração

Os melhores fotopolimerizadores fornecem uma cura segura e uniforme das resinas.

Qual o uso do fotopolimerizador na odontologia?

Se você ainda está nos primeiros anos da graduação e não entende muito sobre o assunto, é normal que já tenha se questionado sobre o uso do fotopolimerizador e sua finalidade.

Ele utilizado em procedimentos de restaurações de resinas, selante dental, clareamento dental à base de peróxido de hidrogênio 35%, colagem de brackets e de acessórios ortodônticos.

O aparelho proporciona mais durabilidade ao procedimento, pois a luz endurece compostos da resina.

Para que serve fotopolimerizador na podologia?

Não só a odontologia usufrui do aparelho. Na podologia, ele também é utilizado para procedimentos com resinas fotopolimerizadoras, conhecidas como resina acrílica ou de vidro.

No vídeo do canal Instituto Educacional São Camilo, você confere uma explicação do uso do fotopolimerizador e das resinas na podologia.

Como escolher fotopolimerizador?

Por ser um investimento de alto custo, escolher o melhor fotopolimerizador requer atenção e conhecimento em alguns pontos. Assim, você consegue selecionar um periférico eficiente e que ofereça bom custo-benefício, além de resultados excelentes para os procedimentos odontológicos.

Se você tem dúvidas sobre como escolher o fotopolimerizador, confira as nossas dicas para analisar qual o melhor produto e fechar uma boa compra.

Intensidade de luz

Para entendermos mais como a intensidade da luz é fundamental ao escolher o melhor fotopolimerizador, trazemos uma revisão de literatura publicada na RevOdonto.

Segundo o artigo, a quantidade de fótons liberados por um fotopolimerizador está ligada diretamente com a formação de radicais livres, o que garante uma fotopolimerização completa.

Dessa forma, a restauração com resinas compostas, por exemplo, alcança excelentes resultados quando trabalhamos com um polímero de qualidade. Com um bom equipamento, o controle da sensibilidade pós-operatória, a manutenção da cor e as cáries secundárias podem ser evitados, o que garante sucesso clínico aos procedimentos.

Para acertar na compra do melhor fotopolimerizador, é preciso considerar a intensidade e comprimento da onda de luz, assim como as lâmpadas utilizadas, que podem ser halógenas ou LEDs.

Quando comparamos a lâmpada halógena ao LED, podemos verificar algumas vantagens deste último, como durabilidade de cerca de 10 mil horas, baixo ruído, dispensa do sistema de refrigeração e ausência de filtro.

Há também fotopolimerizadores à base de laser de argônio e arco de plasma, entretanto, apesar de oferecerem uma intensidade interessante, existem algumas desvantagens em relação ao custo de manutenção e geram riscos de danos ao tecido pulpar.

Espera-se, no mínimo, que o fotopolimerizador tenha uma potência a partir de 1000 mW/cm² e comprimento de onda entre 420 nm e 515 nm.

A luz halógena tem a grande desvantagem de utilizar apenas 0,5% da energia produzida. É uma fonte que produz muito calor e, por isso, é necessário usar filtro de calor e outros acessórios, o que faz com que gaste ainda mais energia.

Outra característica dessa luz é que ela deve ser ligada à energia elétrica, o que acaba por gerar mais gastos de eletricidade para o seu consultório.

Teoricamente, o calor é importante para melhorar a polimerização da resina. Porém, clinicamente, a temperatura alta próxima à polpa do dente pode ser prejudicial, portanto, deve ser evitada.

Cor da luz

Com a tecnologia polywave, a luz tradicional azulada passa a receber outro tom que a acompanha: o violeta. Mas como isso pode diferenciar o fotopolimerizador?

Menina recebendo procedimento com fotopolimerizador

A cor do aparelho está muito conectada com o que é a restauração fotopolimerizável e os compostos utilizados.

Primeiramente, é necessário entender que a canforoquinona é um componente químico presente nas resinas compostas e que gera dois problemas: tem cor amarelada e precisa de amina terciária.

A amina terciária é o ponto mais dificultoso, pois, ao longo do tempo, ela sofre degradação e altera a estabilidade de cor do cimento resinoso ou da resina.

Atualmente, os profissionais buscam alternativas de fotoiniciador que não contenham amina terciária e não sejam amarelados como a canforoquinona, como o TPO.

Entretanto, a cor amarelada da canforoquinona pode ser alterada com a fotopolimerização, mas é necessário que o processo seja feito de forma eficiente, com alta potência e tempo adequado.

A canforoquinona tem pico de absorção de luz em torno de 470 nanômetros (nm), daí a luz azulada. Já o TPO tem pico de absorção de 380 nanômetros, uma luz invisível e que precisa da cor violeta para uma boa ativação da resina.

Portanto, para esses casos, é necessário o equipamento polywave, que possui a luz violeta aliada à azul. Independentemente de qual for utilizar, uma boa potência é crucial.

Ergonomia

Para manter sua saúde e seu bem-estar físico, é fundamental pensar em ergonomia na hora de escolher o fotopolimerizador. Atualmente, o mercado tem investido em opções que ofereçam mais conforto para que cirurgiões-dentistas possam trabalhar melhor, já que é uma profissão que exige movimentos repetitivos por longos períodos.

Dessa forma, considere comprar um aparelho que seja mais leve, para evitar dores no punho, nos braços e nas mãos. Fotopolimerizadores com menos peso também são mais fáceis de manusear, logo, são melhores para trabalhar em uma postura ergonômica, sem precisar se movimentar muito. O ideal é que tenha entre 77 g e 190 g.

Além da leveza, há produtos com design ergonômico, que se encaixam melhor às mãos e possuem ângulos que facilitam a visão na hora de realizar os procedimentos.

Outro detalhe que faz toda a diferença na ergonomia é o fotopolimerizador com bateria, sem necessidade de fio. A praticidade de trabalhar sem se preocupar com o cabo é muito vantajosa e confortável, entretanto, esses produtos podem custar um pouco mais. Mesmo que o valor seja mais alto, é importante colocar a sua saúde em primeiro lugar e fazer uma escolha que proporcione bem-estar.

Modelo de fotopolimerizador odontológico com display e contagem de segundos.

Garantia e manutenção

Um dos aspectos que não podem faltar nos melhores fotopolimerizadores é uma garantia que corresponda ao preço pago pelo produto. Imprevistos podem acontecer, e o importante é você não ficar prejudicado e em desvantagem após comprar um aparelho novo.

Mulher segurando fotopolimerizador

Ao comprar um fotopolimerizador, esteja atento à garantia e à manutenção oferecidas pelo fabricante.

O tempo de garantia dependerá da fabricante, entretanto, a maioria fornece o benefício por dois anos, mas também é possível encontrar aquelas que oferecem de cinco anos.

Além da garantia, outro ponto que deve ser analisado é a manutenção. Após adquirir o fotopolimerizador, é preciso regular o aparelho. Para ajudar o dentista nessa tarefa, alguns modelos já oferecem radiômetro acoplado, assim, você consegue acompanhar a intensidade de luz e a potência emitida.

Verifique também se a loja ou marca oferece uma boa assistência técnica e facilidade para entrar em contato, caso aconteça algum imprevisto. Afinal, ninguém gosta de comprar algo e, em momentos que precisa de ajuda, ficar desamparado.

Resistência

O dia a dia no consultório odontológico é sempre muito corrido: a organização das ferramentas para atender os pacientes e a higienização pós-consulta fazem com que o cirurgião-dentista e o auxiliar precisem se locomover de um lado para o outro. No meio disso, podem acontecer quedas e choques de instrumentos.

É claro que, em geral, a equipe odontológica sempre toma muito cuidado com tudo, entretanto, as quedas de aparelhos ou instrumentos também podem ocorrer. Portanto, é preciso contar com um fotopolimerizador resistente.

Além de suportar impactos, ele deve aguentar a rotina de trabalho, que, em geral, utiliza bastante o fotopolimerizador, especialmente em áreas que necessitam constantemente do aparelho.

Quanto custa um fotopolimerizador?

Os valores do fotopolimerizador podem mudar de um aparelho para o outro e, portanto, é comum que você veja preços bastante diferentes.

O preço inicial pode ser de R$ 669 mas é possível encontrar por valores mais altos, como o Valo Cordless, por R$ 7.400.

É importante ressaltar que essa variação de valores condiz com a qualidade de cada produto, o material de fabricação, a potência e os modos oferecidos.

Algum dos fatores que alteram o preço são:

  • Aparelho ser com ou sem fio
  • Tipo de luz, que pode ser halógena (já não tão utilizada), LED (mais popular) ou a tecnologia polywave, mais recente no mercado
  • Intensidade da luz
  • Produto importado ou nacional
  • Acabamento e materiais utilizados na produção do aparelho
  • Marcas tradicionais e aprovadas por dentistas
Fotopolimerizador dentro de boca

Existem diversas opções de fotopolimerizadores no mercado, mas os preços variam de acordo com diversos fatores.

Portanto, obviamente, você poderá esperar mais de fotopolimerizadores de valor mais elevado. Entretanto, para profissionais que estão começando e precisam de materiais mais acessíveis, em um primeiro momento, comprar um aparelho mais de valor mais baixo pode ser necessário.

Qual o melhor fotopolimerizador?

Como vimos, escolher o melhor fotopolimerizador requer cuidado e uma análise minuciosa sobre pontos técnicos do produto. Se você ainda não sabe por onde começar e quais marcas conhecer, criamos uma lista para auxiliar na sua decisão. Vamos conferir.

Fotopolimerizadores Schuster

A Schuster, fabricante de equipamentos periféricos odontológicos, tem vários modelos de fotopolimerizadores na linha de produtos.

Por ser uma marca tradicional, vale a pena conferir os fotopolimerizadores Schuster e considerá-los para o seu consultório.

Emitter B

O Emitter B emite uma luz com comprimento de onda na faixa de 470 nm e é indicado para polimerização de resinas compostas que possuem canforoquinona como agente fotoiniciador.

Funciona também para sessões de clareamento dental com peróxido de hidrogênio 35%, colagem de brackets e acessórios ortodônticos e parafixação de facetas e lentes de contato dentais.

Características
  • Sem fio e com bateria de lítio (600 aplicações de 15 segundos com carga cheia)
  • Desligamento automático
  • Ponteiras condutoras de luz giram 360°

Emitter D

O modelo faz polimerização de 10 segundos para camadas compósitas de até 2 milímetros. Para uso em Ortodontia, a cura do bracket acontece em 3 segundos. Para o clareamento dental, a potência chega a 1.250 mw/cm².

São três modos de uso: Rampa, Contínuo e Pulsado. Na Rampa, a intensidade da luz aumenta gradativamente nos primeiros 3 segundos para, depois, se manter na potência máxima (1.250 mw/cm²).

No programa Contínuo, a potência é máxima durante todo o procedimento. No Pulsado, a aplicação é intermitente, mantendo-se na intensidade elevada por 1 segundo, desativando em intervalos de 0,2 segundo.

Características
  • Sem fio, bateria de lítio substituível
  • Profundidade de polimerização: 6 mm
  • Temporizador para polimerização e clareamento: 5, 10, 15, 20, 30 e 40 segundos

Fotopolimerizador Emitter D

produtos sensodyne

Emitter Now

O lançamento da marca é o Emitter Now, que funciona com uma bateria de lítio em três programas: Contínuo, Ortho e High. Emite luz com comprimento de onda na faixa de 420 nm a 480 nm.

Oferece polimerização em 3 segundos nas funções Ortho e High com potência de 2.500 mw/cm². Esse fotopolimerizador Schuster é bom para colar brackets e acessórios ortodônticos e fotopolimerizar resinas compostas, ionômeros e adesivos.

Características
    • Sem fio e com bateria de lítio
    • Luz azul gerada por LED de alta potência
    • Temporizador para polimerização: 5, 10, 15 e 20 segundos

Fotopolimerizador BlueStar

Quem procura uma opção mais acessível, mas que entregue qualidade, o fotopolimerizador BlueStar é uma ótima dica, sobretudo para procedimentos clínicos de fotopolimerização de resina.

Em relação ao design, o BlueStar é feito em cores vibrantes — o que pode ser interessante para dentistas que trabalham com crianças e adolescentes —, linhas modernas e, ainda, é um aparelho leve, o que proporciona mais conforto durante o trabalho.

Características:
  • Protetor de radiação luminosa em acrílico polarizado
  • Corpo e base carregadora injetados em ABS e com opção de descanso de aplicador
  • Sistema Auto Shut Off: após 20 segundos sem uso, o fotopolimerizador desliga automaticamente
  • Ajuste de tempo de aplicação conforme cada modo de operação

Fotopolimerizador Blue Star

produtos sensodyne

Valo Cordless

O aparelho produz uma luz de alta intensidade de 385 nm a 515 nm que é capaz de polimerizar todos os materiais dentários. A caneta é leve, com design ergonômico, e a ponteira (com um ângulo de 5°) facilita o acesso a qualquer área, sem causar desconforto ao paciente.

Com três modos de operação (Standard, High Power e Xtra Power), o Valo Cordless distribui a luz uniformemente sobre a superfície dos dentes para fornecer resultados consistentes, independentemente do tamanho e da localização da restauração. Não é um fotopolimerizador barato, mas entrega a melhor performance da categoria.

Características
  • Sem fio e com quatro baterias recarregáveis
  • Bateria tem duração de 400 fotopolimerizações
  • Cura o material em 3 segundos

O modelo Valo com fio da Ultradent tem as mesmas funções, funcionando com uma fonte de alimentação de 9 volts e 2 amperes.

Fotopolimerizador Valo

produtos sensodyne

Vale Grand sem fio

O Valo Grand sem fio é uma versão mais robusta do Valo Cordless, com uma lente 50% maior, projetada para cobrir um molar de 10 mm para uma cura rápida e eficaz.

A lente de 12 mm do Valo Grand tem a mesma potência e intensidade de feixe do Valo original. As duas canetas são leves, ergonômicas e duráveis.

Características
  • Sem fio, funciona com quatro baterias recarregáveis
  • Três modos de funcionamento: Standard, High Power Plus e Xtra Power
  • Fotopolimerização em 3 segundos na operação Xtra Power

Fotopolimerizador  Radii-cal SDI

O Radii-cal SDI é leve e tem design ergonômico. É um fotopolimerizador que funciona no modo rampa, no qual a potência da luz aumenta gradativamente nos primeiros 5 segundos.

A intensidade do LED é de 1.200 mw/cm², e a bateria tem autonomia de 1,2 mil fotopolimerizações de 10 segundos cada.

Características
  • Sem fio, funciona com bateria recarregável
  • Dois anos de garantia
  • Não precisa de ventilação
qual-o-melhor-fotopolimerizador-odontologico

Modelo de fotopolimerizador odontológico com display e contagem de segundos.

Fotopolimerizador 3M

O Elipar Deepcure garante um resultado seguro e previsível, com profundidade de cura uniforme e em profundidade. A radiância é de 1.470 mw/cm², e o comprimento de onda, de 430 nm a 480 nm.

A vantagem é que o feixe de luz acessa facilmente toda a superfície do dente, inclusive os posteriores, mesmo com pouca abertura da boca.

Uma carga completa da bateria tem capacidade para 720 fotoativações de 10 segundos cada. O tempo de carregamento para uma bateria totalmente descarregada é de 120 minutos.

Características
  • Sem fio, funciona com bateria
  • Leve, tem dois botões e modo de operação único
  • Tempo de exposição de 5, 10, 15 e 20 segundos e modo Tack-Cure (1 segundo para remoção de excessos de cimentos)

Na tabela abaixo, você confere a comparação entre alguns fotopolimerizadores vendidos na Surya Dental.

Como cuidar do fotopolimerizador?

Para que o seu fotopolimerizador tenha vida útil prolongada, é necessário ter uma série de cuidados. Um deles é ler atentamente o manual de instruções e seguir todas as recomendações fornecidas pelo fabricante, pois elas respeitam as especificidades de cada produto.

Além disso, evite deixar o aparelho cair. Apesar de algumas marcas oferecerem segurança reforçada e produzirem fotopolimerizadores em materiais resistentes, as quedas nunca são positivas para nenhum material e, ao longo do tempo, geram danos.

Após o uso, mantenha a lente limpa para evitar que a luz fique obstruída com a resina e, periodicamente, análise se está tudo bem com a lâmpada, pois ela pode ficar com vestígios de resina.

Ao guardar o fotopolimerizador certifique-se que fique protegido de umidade e de raios solares, para manter a integridade do aparelho.

Se utilizar produtos químicos, escolha apenas os indicados pelo fabricante, que constam no manual de instruções.

Em caso de avaria, nunca tente solucionar por conta própria e com peças de segunda linha. O ideal é levar até a assistência técnica autorizada para o reparo com peças originais.

Além disso, é necessário ter cuidados relacionados à biossegurança. Para isso, deixamos um vídeo do canal Biosseguraça sem stresse, que ensina a fazer a proteção dele.

Os melhores fotopolimerizadores odontológicos entregam um desempenho acima dos concorrentes em qualidade da cura, durabilidade da restauração e alcance facilitado.

A Surya Dental, e-commerce de revenda de produtos odontológicos, trabalha com as melhores marcas do segmento. Clique no banner para ver preços e modelos!

qual-o-melhor-fotopolimerizador-odontologico

Summary
Qual o melhor fotopolimerizador odontológico? Conheça opções
Article Name
Qual o melhor fotopolimerizador odontológico? Conheça opções
Description
Tempo de cura, alcance de posteriores e segurança são pontos fundamentais para definir qual o melhor fotopolimerizador odontológico.
Author
Publisher Name
Blog Surya Dental
Publisher Logo

Fala pra gente o que achou

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Feito por Nerau Studio